Jornada da OAB-ES encerra com discussão sobre violência contra idoso e o encarceramento na maternidade

As palestras da 1ª Jornada da Cidadania e Direitos Humanos da OAB-ES foram encerradas com uma rica discussão sobre violência contra o idoso e a sessão do projeto Cine OAB com a exibição do documentário (C) Elas, tratando da maternidade das mulheres encarceradas, gravado na Penitenciária Feminina de Cariacica. As palestras foram iniciadas com a abertura da vice-presidente da Ordem, Simone Silveira, e do diretor tesoureiro, Giulio Imbroisi.

Na primeira mesa de exposição o Presidente da Comissão dos Direitos da Pessoa Idosa da OAB-ES, Celso Piantavinha Barreto, declarou se sentir muito feliz com a escolha da inserção do tema idoso no evento. “As pessoas presentes participaram efetivamente com a colocação de pontos de vista e tirando dúvidas. Esse tema é muito importante porque o ser humano está envelhecendo e a população com idade mais avançada está aumentando. Precisamos saber como atuar diante desse cenário. ”

No segundo momento do evento, após a exibição do documentário, a professora e pesquisadora da Ufes, Gabriela Alves, falou sobre seu trabalho no desenvolvimento do filme e sobre a questão do encarceramento durante a maternidade.

“O documentário foi impactante desde o momento de pesquisa do lado de fora da penitenciária, conversando com familiares até a coleta de depoimentos das mulheres. Me chamou muita atenção a ausência masculina do lado de fora, porque víamos sempre mulheres que iam para as visitas. Uma cena que marcou muito também foi das crianças pequenas segurando a certidão de nascimento na mão para fazer visita”, declarou.

“Quando me deparei com esse mundo pensei o que poderia fazer para contribuir para que a gente possa de alguma forma enfrentar isso. Será que o aprisionamento é a melhor solução? 

A analista Membro da Escola Lacaniana de Psicanálise de Vitória, Ângela Maria Carvalho da Silva Cassol, falou a respeito do cárcere na maternidade, as consequências e os efeitos e possibilidades para mulher mãe que se vê aprisionada.

“Essas mulheres são mães jovens com no máximo 30 anos, que enfrentam um dilema de como cuidar de seus filhos. Diante de todo esse contexto, eu e mais quatro psicanalistas elaboramos um projeto em parceria com a Secretaria de Justiça do Estado e a Ufes com o nome de ‘maternidade em cárcere’, para trabalharmos dentro do Presídio Feminino de Cariacica a questão da maternidade com as mulheres encarceradas. Teremos a participação de médicos, ginecologistas, psicólogos e outros profissionais, além de trabalharmos com os agentes penitenciários. Devemos começar no próximo ano”, ressaltou.

Os coordenadores das duas mesas foram o presidente da Comissão de Ensino Jurídico da OAB-ES, Luiz Augusto Bellini, e a Vice-Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Seccional, Flávia Santos Murad.

A presidente da Comissão dos Direitos das Pessoas com Deficiência, Maristela Lugon, e o presidente da Comissão de Direito de Família da OAB-ES, José Eduardo Coelho Dias, também compuseram a mesa de discussões.

keyboard_arrow_up