Fortes depoimentos de mulheres que superaram o câncer marcaram evento na OAB-ES

Fortes depoimentos de mulheres que venceram o câncer marcaram a noite desta segunda-feira (30) no evento promovido pela Comissão da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Espírito Santo (OAB-ES) em transmissão ao vivo pelo canal da OAB TV.

“O câncer é uma doença e não um diagnóstico de morte”, afirmou uma das participantes da roda de conversa, a cantora, atriz e escritora Patrícia Eugênio de Souza. Ela descobriu o câncer de mama quanto ainda amamentava a filha. “Minha filha me ajudou muito nesse processo doloroso. É sempre gratificante poder falar sobre o assunto para que mais mulheres se sintam fortalecidas e motivadas. Eu não gosto de fazer manual de comportamento, porque cada pessoa deve seguir como acha melhor, mas no meu caso, foquei muito no meu trabalho, tanto que escrevi uma peça falando sobre o tema. ”

A professora de piano Sônia Saad Barros descobriu o câncer em 1991 e disse que foi muito difícil acreditar. “Não acreditava que o câncer pudesse me atingir, pois pensamos que acontece com o vizinho ou conhecido, mas nunca conosco. Descobri de uma maneira muito casual, sentia dores e fiz alguns exames. Tive que encontrar uma força muito grande. No começo achei que fosse uma sentença de morte, mas lutei com todas as garras. Falo que precisamos ter otimismo e fé, além de nos cuidarmos, sem deixar de fazer os exames periódicos. ”

O objetivo do evento, segundo a presidente da Comissão da Mulher Advogada, Flávia Brandão, foi justamente mostrar as realidades de mulheres que superaram o câncer.

“É importante mostrarmos que cada mulher tem sua dor, alegria, luta, mas passaram pela mesma doença. Durante a roda de conversa todas disseram que se tornaram pessoas melhores depois da doença. Também alertamos para que tudo que sentimos seja considerado, pois pode ser apenas uma dor, mas também uma doença perigosa. O câncer pode acontecer na vida de qualquer pessoa”, afirmou Flávia Bandão.

Ao final dos depoimentos a assistente social Érica Capassi do Grupo de Apoio a Pessoas com Câncer (GAPC) fez uma breve explicação sobre o trabalho desenvolvido pela entidade sem fins lucrativos. O objetivo do GAPC é auxiliar os portadores de câncer maiores de 18 anos e suas famílias, disponibilizando atendimento psicológico, fisioterapêutico, nutricional, terapias alternativas e também fornecendo medicamentos, suplementos, próteses, fraldas e outras necessidades vindas com o tratamento. O Grupo sobrevive somente de doação. A entidade fica localizada em Vitória e o telefone de contato é 3233-4831.

O bate papo teve a participação também da doméstica Raimunda Lima, da representante comercial Lucélia Lamas, juíza titular da Vara da Infância e Juventude de Vila Velha Patrícia Neves, da delegada de polícia Neusa Glória Santos e da advogada Maria Amélia, que também é integrante da Comissão da Mulher da OAB-ES. Além das demais integrantes da Comissão Vanessa Santa Bárbara Rodrigues e Ciloni Nunes Fernandes. 

Veja na íntegra a Roda de Conversa

keyboard_arrow_up