Bandas de Congo da Serra invadem estandes da XXIII Conferência Nacional da Advocacia

Bandas de Congo conquistaram a advocacia. Foto: Divulgação.
Bandas de Congo conquistaram a advocacia. Foto: Divulgação.

Uma verdadeira invasão de som, cores e ritmo. As bandas de Congo da Serra, que vieram se apresentar na XXIII Conferência Nacional da Advocacia, em São Paulo, a convite da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Espírito Santo (OAB-ES), contagiariam advogados, advogadas, estudantes e dirigentes de Ordem. Até mesmo o presidente do Conselho Federal, Claudio Lamachia, não resistiu e entrou na dança.

Os músicos passaram por toda área de eventos da Conferência, seguindo para o estande da OAB-ES e, puxados pelo presidente da Ordem, Homero Mafra, invadiram os estandes da OAB São Paulo, OAB Minas, Conselho Federal e  muitos outros.

Ao trazer as bandas de Congo para a Conferência, a OAB-ES reforça a celebração da cultura capixaba ao difundir o folclore do estado. Com suas casacas, tambores, chocalhos, triângulos e a indumentária característica da dança, os congueiros conquistaram todos.

Para a coordenadora da Associação das Bandas de Congo da Serra, Terezinha Pimentel contou que na apresentação realizada na Conferência Nacional todas as bandas do município estavam representadas. “Manguinhos, Bicanga, Jacaraípe, Pitanga, Nova Almeida, enfim, todos estão aqui. Acho importante a iniciativa da OAB-ES de mostrar a cultura do Espírito Santo. É isso que deve ser feito. Independente do segmento em debate, a cultura deve ser mostrada”, disse.

Bandas de Congo da Serra fizeram sucesso em Conferência. Foto: Divulgação.

Com mais de 40 anos no Congo, Maria Cristina dos Anjos representa uma tradição familiar. Ela contou que já foi a Brasília duas vezes, quatro vezes para Olinda, além de todo o Espírito Santo.

Congo

O Congo é uma manifestação típica da cultura popular capixaba que expressa a mistura cultural ocorrida no Brasil desde o período colonial. Une o batuque do negro e do índio à religiosidade católica trazida pelos portugueses. Todo esse processo se deu dentro de um contexto rural, misturando os imaginários mítico-culturais desses três povos. Essa mistura teve diferentes combinações, o que explica as diferenças existentes entre as Bandas de Congo.

Da banda de congo participam homens, mulheres e crianças, utilizando uma série de instrumentos, estandartes e indumentárias. Elas possuem função fundamental nas festas populares ligadas à igreja católica, como as Festas de Santos, como São Benedito, São Sebastião, Nossa Senhora do Rosário, dentre outros. Na Serra Sede, as Bandas de Congo estão em todos os momentos do Ciclo Folclórico-Religioso da Festa de São Benedito: na Cortada, Puxada, Fincada e Derrubada do Mastro.

keyboard_arrow_up