Desigualdade social

OAB-ES se reúne com a Central Única das Favelas (Cufa) para conhecer seus projetos



Nesta segunda-feira (18/01), a Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Espírito Santo (OAB-ES) recebeu representantes da Central Única das Favelas (Cufa). O objetivo foi apresentar o trabalho que realizam em nível nacional e estadual e falar sobre a Taça das Favelas A competição já acontece em outros Estados, revelando diversos talentos para o futebol brasileiro, a entidade planeja realizá-la pela primeira vez no Espírito Santo.

Participaram do encontro, o presidente da OAB-ES, José Carlos Rizk Filho, o senador Fabiano Contarato, o presidente nacional da Cufa, Preto Zezé, o presidente estadual, Gabriel Costa, e lideranças da entidade.

A Cufa, que está atualmente em 17 países e 450 municípios brasileiros, realiza ações gratuitas nas favelas e periferias, oferecendo várias atividades nas áreas de arte e cultura, esporte, assistência social, educação, cidadania e geração de renda. O objetivo, segundo o site da entidade, é dar voz a essa população mais vulnerável do país, dando a oportunidade de expressar suas atitudes, questionamentos ou simplesmente a sua vontade de viver. No Espírito Santo já está há oito anos. 

O presidente da OAB-ES, José Carlos Rizk Filho, ressaltou que a Ordem está de portas abertas para conhecer ações que levem mais dignidade aos menos favorecidos.

“Temos ainda um país extremamente desigual, e muitas vezes os governos não conseguem chegar à população mais carente com projetos sociais, esportes e novas oportunidades. Nesse sentido, foi muito bom conhecer o trabalho realizado pela Central Única das Favelas (Cufa) e colaborar na interlocução com lideranças políticas importantes do Estado”.

Já o senador Fabiano Contarato explica que acha de extrema importância que a OAB-ES, juntamente com a Central Única das Favelas (Cufa), tenha este envolvimento, este olhar humanizador, a sensibilidade de se colocar na dor do outro. “É uma maneira da Ordem interagir, de forma interdisciplinar, com a União, o Estado, o município e a sociedade civil para promover a redução da desigualdade em prol da construção de um Espírito Santo mais justo, fraterno e igualitário”.

O presidente da Cufa Nacional, Preto Zezé, disse que ficou muito contente com a acolhida da OAB-ES, e seu presidente José Carlos Rizk Filho, e do senador Contarato. “O mais importante foi perceber que estamos todos unidos em prol da mesma agenda pública, de agir do ponto de vista prático em territórios invisíveis, onde as pessoas mais necessitadas do Brasil esperam resultados concretos, que não fiquem só no discurso”, ressaltou Preto Zezé.

Participaram também da reunião, Claudio Martins, coordenador geral da Taça das Favelas; Alex Fabiano, coordenador técnico da Taça das Favelas; Luciano Furtado, coordenador de ações sociais; Rosana Lima, diretora de projetos; e Savio Andrey Faustino Eustáquio, do setor jurídico. Todos da Cufa estadual.

A Taça das Favelas

Segundo o presidente estadual da Cufa no Espírito Santo, Gabriel Costa, o objetivo da reunião, além de apresentar o trabalho da entidade no Estado, e também em nível nacional, é tentar selar parcerias para os projetos regionais. 

“Inicialmente queremos ver se conseguimos recursos para realizar pela primeira vez a Taça das Favelas aqui no Estado. Trata-se de um campeonato de várzea, que já acontece em várias cidades do Brasil, reunindo meninos e meninas das favelas em torno dessa paixão nacional. Como estamos na pandemia, pretendemos realizá-lo aqui só no segundo semestre de 2021, a partir de setembro. O campeonato é dentro das próprias favelas, nos campos de várzea, como forma de valorizar esses territórios. Só a final pode ser realizada em qualquer estádio do país”, explica Gabriel Costa. 

Para Sávio Eustáquio, do setor jurídico da Cufa estadual, realizar a Taça das Favelas no Espírito Santo pode ser uma maneira, também, de trazer mais valorização ao futebol capixaba. “Já saíram desse campeonato alguns nomes que hoje se destacam nos clubes nacionais”, conclui.

keyboard_arrow_up