CDH apóia criação da Comissão de Benzeno no Estado



A OAB ES, por meio da sua Comissão de Direitos Humanos (CDH), está apoiando a criação da Comissão Estadual de Benzeno, solicitada pelo Sindicato dos Metalúrgicos do Espírito Santo (Sindimetal). O assunto foi discutido em uma reunião na tarde desta sexta-feira, no plenário da Ordem, e contou com a presença do presidente da CDH, André Luiz Moreira; do diretor da secretaria de saúde do Sindimetal, Walter Bernardo Ribeiro; do advogado do Sindimetal, Paulo Reis Finamore Simoni; além de representantes dos sindicatos patronal e dos trabalhadores da Petrobras no Espírito Santo.

O presidente da CDH, André Luiz Moreira, manifestou total apoio à proposta de criação da Comissão e confirmou que a Seccional estará à disposição para que as reuniões sobre o tema sejam realizadas no local. Moreira também confirmou que serão encaminhados ofícios a todos os sindicatos patronais e de trabalhadores, bem como às empresas que tem em suas atividades a liberação do produto, para que adiram à Comissão.

Uma nova reunião deverá ser agendada em breve para discutir as próximas ações da criação da Comissão. O advogado do Sindimetal, Paulo Reis, agradeceu o apoio e receptividade da Ordem que considerou como fundamental no processo de implementação da Comissão Estadual do Benzeno.

O benzeno é um gás extremamente tóxico, liberado no processo de refinaria do petróleo e na fundição de metais. O contato direito ou indireto com o produto traz conseqüências graves para a saúde, como a manifestação da leucopenia, uma doença que diminui a quantidade de glóbulos brancos no sangue que, se não for tratada, pode resultar em uma leucemia (câncer no sangue).

O Espírito Santo ainda não possui uma comissão para fiscalizar as ações do cumprimento do acordo que discute, negocia e acompanha as ações para a prevenção da exposição ocupacional do benzeno, visando à proteção da saúde do trabalhador. O acordo foi firmado por entidades como o Ministério do Trabalho, a Confederação Nacional das Indústrias (CNI), a Associação Brasileira da Indústria Química; e é acompanhado pela Comissão Nacional do Benzeno.

 

Produzido pela Assessoria de Comunicação da OAB-ES

Mais informações com Raquel Salaroli e Ana Glaucia Chuina (telefone 3232-5608)

O conteúdo pode ser reproduzido desde que citada a fonte.

 

keyboard_arrow_up