OAB-ES lança Guia de Compliance para implentação de um programa de integridade




A OAB-ES, por meio da Comissão Especial de Compliance, acaba de lançar o guia para implementação de um programa de integridade. Com enfoque informativo e educativo, a publicação tem o intuito de demonstrar o que é compliance, sua importância e seus pilares.

A publicação, com um conteúdo rico e bem suscinto, conta com 48 páginas e detalha sobre Benefícios do Compliance, Arcabouço Regulatório do Compliance, Governança Corporativa, a Implantação de um Programa de Compliance, Integridade e Diferencial Competitivo, dentre outras informações.

“Nosso intuito foi criar um guia que pudesse, de forma objetiva e simples, dar um conteúdo aprofundado sobre a implementação de programas de integridade. O Guia, mesmo sendo sucinto, aborda temas importantes para o compliance, como a explicação de um processo de risk assessment. Inclusive, sobre o tema de gestão de riscos, criamos imagens explicativas, o que enriquece muito o conteúdo”, explicou o presidente da Comissão, Fernando Monfardini.

O advogado responsável pelo Compliance da OAB-ES, Edésio da Costa Lima Júnior, que trabalhou juntamente com a Comissão para o desenvolvimento  do Guia falou sobre a implantação. "Considero esse guia de compliance uma importante e fundamental ferramenta na implementação do programa de integridade que está sendo construído na OAB Seccional do Espírito Santo", frisou o advogado. 

O presidente da OAB-ES, José Carlos Rizk Filho, fala sobre o trabalho. “Este guia, elaborado pelos membros da Comissão Especial de Compliance da OAB/ES, é um dos exemplos desses movimentos, que demonstra à sociedade a capacidade da advocacia capixaba para atuar em novos ramos, permitindo que estes profissionais atuem também em ambientes corporativos com perfil estratégico, promovendo a criação de valor e melhoria no ambiente de negócios do Estado. Além disso, surge repleto de significados e exemplos, tendo em conta que esta Instituição toma para si a responsabilidade de não apenas dizer o que deve ser feito, mas praticar o que é dito, demonstrando que a ética, a integridade e a boa governança devem ser o caminho a ser seguido pelas instituições e a sociedade”, ressaltou Rizk.


Confira a aqui o Guia para implementação de um programa de integridade
keyboard_arrow_up